Google+ Followers

sábado, 28 de julho de 2012


Sobre a “guerra fiscal” entre os lugares na disputa por unidades das grandes corporações transnacionais, um dos efeitos da globalização, Milton Santos escreveu:



“Mas, quando analisamos as condições técnicas e normativas criadas, entendemos que esse processo de criação de valor acaba tendo, para a sociedade como um todo, um alto custo e produz uma alienação advinda da extrema especialização urbana e regional numa produção exclusiva. Mais tarde, a cidade descobre que essa produtividade espacial, esforçadamente criada, não é duradoura e, quando envelhece, o lugar é chamado a criar novos atrativos para o capital. Mas as empresas também convocam o resto do território a trabalhar para seus fins não só egoístas, mas também inconstantes, de modo a assegurar um enraizamento do capital que é sempre provisório. E, como um capital globalmente comandado não tem fidelidade ao lugar, este é continuamente extorquido. O lugar deve, a cada dia, conceder mais privilégios, criar permanentemente vantagens para reter as atividades das empresas, sob ameaça de um deslocamento.”

Santos, Milton. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: BestBolso, 2011. (p. 107).